PAISAGISMO

Qualquer obra sem a presença de elementos naturais torna-se desestimulante e sem vida. Por isso, todos os projetos Tellus são elaborados em harmonia com o seu entorno, criando espaços e ambientes que possam ser contemplativos, regenerativos e até mesmo que produzam alimentos.

 

A Tellus desenvolve seus projetos dentro do conceito paisagismo ecológico, que busca criar um ecossistema em equilíbrio por meio de uma visão sistêmica. O paisagismo dentro de uma perspectiva multifuncional, além de criar novos habitats para fauna e flora, incorpora os benefícios da infraestrutura verde.

 

Paisagismo Ecológico

Ao contrário do paisagismo mais convencional, o paisagismo ecológico inclui nas paisagens elementos que são importantes para os seres humanos e para todos os outros organismos vivos presentes naquele lugar. Procura promover o reequilíbrio de um ecossistema que muitas vezes se encontra debilitado e degradado, e ainda criar a conexão das pessoas com a natureza.
 

O paisagismo ecológico traz a biodiversidade, as vegetações bem adaptadas ao clima, restabelecendo a flora e a fauna do local, resgatando as formas curvas e orgânicas da natureza para dentro das cidades. Além disso, o paisagismo ecológico procura ser produtivo, com florações em diferentes épocas do ano, levando em conta que o tempo vai transformar essa paisagem constantemente.

 

Telhado Verde

Telhado verde é a técnica de aplicação de uma camada de vegetação sobre uma base impermeabilizada, normalmente sobre uma cobertura. Os telhados verdes contribuem para a filtragem do ar externo, geralmente mais poluído, ou seja, melhoram a qualidade do ar nos centros urbanos e também reduzem as ilhas de calor. A retenção da água da chuva por parte dos telhado verdes, ajuda a reduzir o risco de enchentes.  

 

Os telhados vegetados podem aumentar a área útil da edificação, pois transformam as coberturas e sacadas em espaços que pode ser utilizado tanto para contemplação quanto como área de convivência externa, realizar atividades como yoga, meditação, horta e tantos outros usos que necessitam de ambientes externos. As camadas que compõem o telhado verde protegem a edificação contra raios solares, e também servem como poderoso isolante térmo-acústico, ideal para ser utilizado em climas frios e quentes. 

Ao longo dos anos de experiência, a Tellus  ser tornou especialista em projetar e executar telhados verdes, utilizando as técnicas adequadas a cada situação, garantindo a qualidade e segurança deste sistema. 

Modelos de Telhado Verde Tellus

Parede Verde

A parede verde é a técnica de revestir elementos construtivos no plano vertical, como fachadas de edifícios, muros, divisórias e também paredes internas. Elas têm grande influência na composição de fachadas e ambientes. 

 

As paredes verdes, quando utilizadas dentro dos ambientes, podem melhorar a qualidade do ar interno (QAI). As plantas tem a capacidade de filtrar toxinas do ar e também ajudam no controle de umidade. Assim como os telhados verdes, as paredes verdes também podem ser utilizadas como estratégias bioclimáticas, contribuindo na atenuação da inércia térmica dentro dos ambientes, funcionando, inclusive, como isolante acústico

  • Infraestrutura Verde

Infraestrutura Verde inclui toda infraestrutura que possibilite tornar as edificações e cidades mais sustentáveis, ao proporcionar alternativas que reduzem o consumo de energia, de água, emitem menos gases de efeito estufa, menos poluentes e protegem a biodiversidade dos ecossistemas de forma geral. Alguns exemplos são: telhados verdes, paredes verdes, jardins de chuva, arborização e hortas urbanas, sistemas alternativos de energia, sistemas inteligentes do uso de água, tratamentos de efluentes por zona de raízes, entre outros.

ENTENDA MAIS

Preparamos um GLOSSÁRIO para você entender melhor alguns conceitos do paisagismo ecológico:

  • Retenção de água da chuva

O armazenamento de água da chuva nos telhados verdes, na maioria das vezes, pode ser feito por meio de módulos que diminuem a necessidade de irrigação da cobertura, principalmente em períodos de longa estiagem. Nestes casos, a água armazenada será utilizada pela própria planta para se manter viva nestes períodos. O excesso de água captado também pode ser armazenado para para o aproveitamento em fins não potáveis. Além disso, a captação da água da chuva pelos edifícios nos centros urbanos ajuda a prevenir enchentes.

  • Redução das ilhas de calor

Em grandes cidades, onde a maior parte das superfícies são compostas por asfalto e concreto e a poluição atmosférica costuma ter índices elevados, ocorre uma excessiva concentração de calor. O fenômeno conhecido como ilha de calor acontece quando a temperatura média da região se eleva além do normal e a umidade do ar fica reduzida. Isso pode causar problemas respiratórios e desconforto nas pessoas, afetando também todo o ecossistema local. Telhados verdes, paredes verdes, áreas vegetadas e arborizadas na cidade contribuem para redução do fenômeno, deixando o clima urbano mais saudável e agradável.

  • Filtragem do ar

As superfícies vegetadas como telhados e paredes verdes também ajudam na filtragem de poluentes do ar, produzindo oxigênio e absorvendo gás carbônico, trazendo inúmeros benefícios para a saúde das pessoas.

  • Tratamento de esgoto por zona de raízes

Uma técnica natural de tratamento de esgoto, em que acontece um processo de filtragem física em pedra brita e areia, utilizando plantas que formam a zona de raízes. A principal função das plantas neste sistema é fornecer oxigênio aos microrganismos responsáveis pela remoção de poluentes da água. Dessa forma, toda a água tratada pode ser devolvida à natureza sem causar impactos ambientais, já que o sistema retira toda carga orgânica e nutrientes como fósforo e nitrogênio. Esta água tratada também pode ser utilizada, principalmente em edificações que tem um sistema de reuso. O tratamento é indicado para empreendimentos que desejam reduzir seus impactos, contribuindo para melhorar a qualidade do esgoto despejado na rede ou até mesmo para edificações mais afastadas dos centros urbanos, onde o acesso à rede de água e esgoto é limitado.

  • Arquitetura Bioclimática

A arquitetura bioclimática equilibra o projeto com o seu entorno, aproveitando as condições climáticas favoráveis. Leva em consideração não apenas as condições do clima local, mas também a orientação solar, as edificações e a vegetação do entorno, a topografia e outros objetos que possam criar barreiras de vento ou sombreamento. A partir disso, é possível identificar a geometria mais adequada, bem como os materiais, sistemas construtivos e posicionamento, atendendo ainda às necessidades e costumes dos usuários. Uma edificação projetada para ter um bom desempenho deve otimizar ao máximo o aquecimento e o resfriamento passivo, a ventilação natural, a incidência de luz e radiação solar necessária para cada ambiente, dispensando o uso de aparelhos para equilibrar a temperatura interna.

  • Qualidade do ar interior

A qualidade do ar interior (QAI) é uma das maiores preocupações mundiais quanto se à salubridade de ambientes internos. Este conceito ganhou destaque quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu a Síndrome de Edifício Doente como uma das principais causas de enfermidades nas pessoas. Segundo a OMS, 30% de todas as edificações do mundo podem causar algum tipo de enfermidade nos seus habitantes. Dentre os componentes que podem ser monitorados para entender a qualidade do ar, estão: umidade relativa, níveis de Compostos Orgânicos Voláteis (COVs), gás carbônico, concentração de formaldeído e partículas inaláveis. Estratégias que contribuem para a melhor QAI: ventilação natural, iluminação natural, uso de materiais não tóxicos, plantas para filtragem do ar.

  • Isolamento acústico

Além de funcionar como isolante térmico, os telhados e paredes verdes também contribuem para o isolamento acústico, evitando que ruídos externos cheguem no ambiente interno, e vice-versa.

  • Biofilia

A arquitetura biofílica busca incorporar elementos vivos, bióticos, como parte da solução arquitetônica para um projeto bioclimático. Ela entende a construção como um ecossistema em si, onde os fluxos de energia precisam estar em equilíbrio interno e com seu entorno. Assim, a arquitetura se torna mais capaz de lidar com riscos e ameaças de nossa sociedade. As plantas, por meio do paisagismo, assumem um papel multifuncional dentro do edifício, promovendo a retenção de água de chuva, filtragem de poluentes, resgate da biodiversidade, conforto psicológico e produção alimentar.

O conjunto formado pelas plantas e substratos tem a capacidade de garantir um isolamento térmico dos elementos vegetais e, assim, evitar que a edificação apresente grandes variações de temperatura ao longo do dia. Com isso, as construções mantêm as temperaturas dentro da zona de conforto passivamente.

  • Redução da amplitude térmica e isolamento térmico

  • Biopiscina

O uso de biopiscinas, ou piscinas ecológicas, é uma forma de desenvolver um ecossistema local em equilíbrio com o entorno, pois substitui os convencionais tratamentos químicos de água de piscina, com base no cloro, pelo tratamento feito pelas próprias plantas aquáticas.

 

Um projeto de biopiscina integrado com um projeto de paisagismo pode simular soluções naturais em um ambiente urbano, atraindo uma fauna de grande importância.

Quer saber ainda mais?

Nos siga nas redes:

  • Arquitetura Sustentável
  • Cinza ícone do YouTube
  • Arquitetura Saudável
  • Paisagismo Ecológico
  • Arquiteto Curitiba
 

Cadastre-se

e fique por dentro das novidades e dos próximos eventos da Tellus!

Você foi cadastrado com sucesso!